sábado, 2 de julho de 2011

Sacolas plásticas:contra ou a favor?

http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2011-07-01/liminar-suspende-proibicao-do-uso-de-sacolas-plasticas-em-sao-paulo

Boa noite amigos leitores.

O link acima nos leva a matéria sobre a polêmica da proibição de uso das sacolas plásticas em nosso país.

Em São Paulo,um desembargador concedeu liminar para o cancelamento da proibição do uso das sacolas plásticas no estado.

É fato,que daqui a pouco as outras regiões estarão exigindo o mesmo,já que também certamente estão se sentindo prejudicados com esta proibição.

E aí vai começar o efeito dominó,daqui a pouco todo mundo já vai estar liberado para voltar a distribuir as prejudiciais sacolas plásticas.Já que estas mesmas sacolas,são verdadeiras vilãs para o meio ambiente.

E na questão da educação ambiental não é diferente,é preciso adaptação aos novos costumes.Mas para isso devemos persistir para que a conscientização seja aceita e praticada por todos.

Se para os fabricantes de sacolas plásticas tem havido prejuízo por isso,na minha opinião eles deveriam procurar um meio de mudar de ramo ou se adaptar a tal mudança.

As sacolas retornáveis são uma ótima opção para ir as compras,pois além de criativas em suas cores e estampas tornando-as não apenas práticas e ecologicamente corretas,mas também muito atrativas para a economia no país,já que desperta a ideia de tendência e se é tendência,é moda e moda é um fator importante para o crescimento da economia .

Veja bem,se fabrico sacolas plásticas e elas foram proibidas,porque não passar a fabricar sacolas de papel?

Afinal,papel é reciclável e além de gerar renda e emprego para muitas pessoas,não agride o meio ambiente como as sacolas plásticas.

Justo agora que já criaram várias opções para se substituir as sacolas plásticas,o senhor desembargador vai conceder a liminar que suspende a proibição da venda das sacolas?

Devemos dar bons exemplos e este na minha opinião é um péssimo exemplo a ser dado.


E você,é contra ou a favor do uso de sacolas plásticas?






Por: Cátia Rodrigues.